sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Conheça o Ikebana: a Arte Japonesa com Flores


“Ikebana”, em japonês, significa “dar mais vida à flor” e esta é uma arte milenar, em que o preparo é tão importante quanto o resultado final. Muito mais do que arranjos florais, Ikebanas carregam muitos simbolismos e toda a sabedoria da filosofia oriental.
Acima de tudo, Ikebana é um exercício de busca pelo equilíbrio e harmonia não só estética, mas interior também. Assim, acaba sendo uma terapia e uma válvula de escape à correria e estresse do dia a dia, daí seu sucesso pelo mundo todo: já são mais de quinze milhões de praticantes e cerca de três mil escolas.

Ikebana, a arte japonesa de arranjos florais

Arranjos florais feitos aqui no Ocidente prezam pela quantidade de flores e exuberância de cores e beleza. Já na Ikebana são os aspectos lineares do arranjo que importam e a filosofia que está por trás de cada detalhe. Toda a estrutura de uma Ikebana é fundamentada em retratar, no arranjo, o equilíbrio entre três pontos principais: o homem, o céu e a terra.
Na Ikebana, ramos, folhas e hastes também são enfatizadas e o passado, presente e futuro são representados de diferentes formas. Para o passado, costuma-se utilizar folhas secas e flores desabrochadas. Para representar o presente, flores a desabrochar e folhas em perfeito estado. Já para o futuro, são utilizados os botões, representando aquilo que ainda está por vir.

História

A arte da Ikebana surgiu na Índia, mas se propagou no Japão pela variedade e beleza imensa de flores que este país possui. Ainda no século VI, os arranjos eram oferecidos em rituais budistas para expressarem a beleza e sutileza da natureza, e tinham um formato sofisticado, chamado rikka, que buscava recriar as paisagens. Ao longo dos séculos, as regras foram simplificadas para que toda a população japonesa pudesse praticar a arte e outros estilos foram surgindo.
O estilo Ikebana nageire, ou cha-bana (flores do chá), surgiu no século XVI, como parte da cerimônia do chá e prezando pela naturalidade da disposição das flores no vaso, independente dos materiais utilizados.
Na Restauração Meiji (1867 a 1912), em que o Japão foi modernizado e ocidentalizado, foi desenvolvido o estilo moribana Ikebana (flores empilhadas), em que as flores ocidentais começaram a ser utilizadas na arte. Essa escola permitia mais liberdade no arranjo e a possibilidade de apreciar essa arte em outras ocasiões, não só formais.
Já no início do século XX, Sofu Teshigahara começou a utilizar outros materiais na composição dos arranjos, como sucata de metais. Essa prática se tornou um estilo consagrado e deu início à escola Sogetsu de Ikebana.

Terapia

Praticar Ikebana é, sem dúvida, um ótimo exercício para o espírito, que traz calma e paz. Sejam simples ou extremamente elaborados, a prática do Ikebana valoriza a espiritualidade e o silêncio na hora da construção. No Brasil, já são dezenas de cursos sobre a milenar arte japonesa, cada um de diferentes estilos de técnicas e determinado conjunto de regras para compor o arranjo.
Se você tiver o privilégio de ter uma Ikebana em casa, disponha-a em mesas de cantos, pois esse arranjo foi feito para ser visto de frente.
As flores são uma paixão para você? Visite também este post sobre as orquídeas e seus significados e conte para nós como você costuma montar seus arranjos!